Maior Segurança Para a sua Torre e Antena de Telecomunicações

É importante que o gestor da propriedade compreenda os riscos agregados aos contratos de arrendamento de infraestruturas de telecomunicações, pois isso pode impactar o rendimento recebido de diferentes maneiras. Existem questões jurídicas, tecnológicas e de mercado que devem ser consideradas.

A maioria dos contratos de arrendamento de torres e antenas de telecomunicações, sem exceção, possui uma cláusula que permite à operadora rescindir o contrato num prazo compreendido entre 30 e 90 dias, sem qualquer tipo de indemnização ao proprietário. Essa cláusula é fundamental para garantir às operadoras de telecomunicações liberdade total para gerir as suas redes de transmissão, de forma a se protegerem das contingências do mercado, o que aumenta muito o risco e a incerteza para o proprietário. Hoje, em Portugal, é provável que grande parte dos proprietários que possuam contratos de arrendamento de torres e antenas de telecomunicações já tenham sido abordados para renegociações de redução da renda e que estejam já a receber rendimentos muito abaixo do que foi inicialmente acordado. De certo modo, há um desequilíbrio na relação contratual entre proprietário e arrendatário, pois o proprietário é obrigado a cumprir todo o tempo de contrato (5, 10, 15 anos) enquanto que a operadora pode rescindir o mesmo a qualquer momento. Com o nosso investimento no seu contrato, o proprietário elimina completamente o risco futuro de rescisão contratual.

Outro fator que deve ser considerado é o tecnológico. Mudanças e avanços tecnológicos podem diminuir a importância estratégica de determinados equipamentos de transmissão e propagação de sinal analógico. Há alguns anos, por exemplo, começou-se a testar a possibilidade de utilização de mini repetidores de sinal localizados em equipamentos públicos (como postes de eletricidade e sinais de trânsito) como uma alternativa não apenas para reduzir os custos da transmissão de dados como também para melhorar a qualidade do sinal. Este dinamismo tecnológico pode afetar negativamente os rendimentos futuros de proprietários de contratos de arrendamento com as empresas de telecomunicações.

Além dos aspetos técnicos, o arrendamento de torres e antenas de telecomunicações está exposto ao risco corporativo. O mercado global de telecomunicações tem vivido uma onda de fusões e consolidações devido à dificuldade de algumas operadoras em suportar a concorrência. Quando ocorre uma fusão entre operadoras de telecomunicações, é muito comum que haja duplicidade de pontos de transmissão de dados (duas antenas de operadoras diferentes a transmitir do mesmo local). Neste caso, a solução natural é a desinstalação da antena de telecomunicações de um dos pontos para reduzir custos e otimizar a gestão da rede. Quanto ao ponto que será desativado é praticamente impossível de prever. Quando a APW Portugal faz uma oferta por um determinado contrato de arrendamento, consideramos este panorama de risco. O proprietário deve fazer o mesmo. Enquanto a APW Portugal pode perder alguns contratos (e perdemos vários todos os anos), o proprietário deve questionar-se se está disposto a correr o mesmo risco, especialmente num momento em que há uma empresa de gestão de contratos de arrendamento de telecomunicações disposta a assumir esse risco em seu lugar.

Maior Segurança Para a sua Torre e Antena de Telecomunicações was last updated Outubro 16th, 2018 by APWPortugal