Polémicas, riscos e conflitos diplomáticos: o 5G explicado nas 8 grandes dúvidas que levanta /premium

O 5G provoca cancro? Foi por isto que Donald Trump bloqueou a Huawei? O que é que a empresa chinesa diz? Não há concorrentes? Em 8 respostas, fique a par da rede para o futuro das telecomunicações.

Bem-vindos ao 5G, a infraestrutura de rede que pode mudar tudo. Leu bem, mudar tudo. Não acredita? Basta pensar que, antes do 4G, não líamos emails e notícias com tanta facilidade nos smartphones, não utilizávamos tanto as aplicações de GPS para chegar onde queremos e nem arriscávamos fazer videochamadas nos telemóveis como hoje em dia fazemos. Agora, com o 5G, estas funcionalidades são o ponto de partida para um mundo novo das comunicações.

Nas questões seguintes, explicamos como é que as novas infraestruturas de rede podem mudar a forma como vivemos e por que é que estão a criar tantos problemas diplomáticos.

O 5G é o nome que se dá à próxima geração de redes de telecomunicações e que vai substituir o 4G — que usamos atualmente. O nome pode ser traduzido para “quinta geração de internet móvel”. Na prática, é o nome que se dá à tecnologia sem fios que usamos para comunicar e que, nos próximos 10 anos (presume-se), vai substituir o 4G.

Cada geração de telecomunicações tem trazido benefícios e durado cerca de 10 anos. Com as primeiras redes, no final dos anos 70 e 80, podíamos fazer chamadas sem fios. Com o 2G, a partir dos anos 1990, começaram a surgir os SMS e as antenas de rádio passaram a utilizar sinais digitais. Com o 3G, já no final dessa década, surgiram os dados móveis e as videochamadas. No final dos anos 2000, há cerca de 10 anos, surgiu o 4G, que trouxe todos os benefícios das redes móveis mais estáveis. Além disso, a possibilidade de transmitir mais dados de uma só vez permitiu a evolução dos smartphones nos últimos anos.

Há padrões na indústria com nomes como EDGE, GSM, LTE, entre outros, mas não vamos complicar. Em cada geração há evoluções e formas diferentes de cada operadora utilizar as tecnologias de telecomunicações. Os consumidores finais vêem, por exemplo, estes termos ou um símbolo de + (por exemplo, 4G+) no topo do telemóvel, ao pé das barras de sinal rede, que mostra que tipo de rede estamos a utilizar. Mas no final, só há duas coisas que contam: perceber se temos cobertura para utilizar a rede e se ela é boa. Até agora, só uma operadora, a AT&T, nos Estados Unidos, é que se atreveu a utilizar um símbolo de “5Ge” nos telemóveis, mas descobriu-se que era publicidade enganosa. Como explicou ao Observador José Moura, presidente executivo da IEEE, organização internacional que estabelece padrões na indústria, apesar de o 5G já existir, “há diferentes tecnologias ainda em discussão para a sua implementação”, e há pontos a fechar.

Polémicas, riscos e conflitos diplomáticos: o 5G explicado nas 8 grandes dúvidas que levanta /premium was last updated Julho 2nd, 2019 by APWPortugal
« Voltar ao Notícias