Operadores e Anacom trocam acusações violentas à vista de todos

O debate anual de encerramento do Congresso das Comunicações, onde participam os líderes das principais operadoras, fica habitualmente marcado pelas farpas e ferroadas, pior ou melhor humoradas, que os líderes da Vodafone, da Nos e da Altice (antiga PT) trocam entre si. Contudo, a edição deste ano rompeu a tradição.

A apresentação de quase quarenta minutos do presidente da Anacom, João Cadete de Matos, que antecedeu o debate e foi polvilhada de ensaboadelas e puxões de orelhas às empresas, deixou os operadores a ferver e a reacção não se fez esperar. “O regulador representa o Estado, o que exige uma postura de responsabilidade e dignidade, que não me parece que tenha sido aquilo a que aqui assistimos hoje”, afirmou o presidente da Altice, Alexandre Fonseca, arrancando um enorme aplauso à plateia.

Na sua apresentação, Cadete de Matos não deixou passar em branco o facto de os operadores terem preferido (na organização do Congresso) que o regulador ficasse fora do debate (“depois não se podem queixar que o operador não debate com as empresas”), limitando-se a um discurso de abertura. Nem perdeu a oportunidade de fazer um apanhado das declarações das empresas publicadas nos media a criticar decisões do regulador. “Sei que há um equívoco quando leio os comunicados” dos operadores a dizer que “a Anacom não conhece o sector”, que “a Anacom sofre pressões” ou que a Anacom “não debate as decisões”, exemplificou.

Sublinhando que “é importante que as empresas percebam que o regulador está a cumprir a sua missão” e que a sua missão “não é agradar às empresas reguladas”, embora também não seja a de ser “mau para com os regulados”, Cadete de Matos referiu-se a um episódio que deixou os operadores particularmente irritados e que foi o da imposição de alterações aos chamados “tarifários tribais” por se considerar que violavam a legislação europeia da neutralidade da rede.

Operadores e Anacom trocam acusações violentas à vista de todos was last updated Outubro 3rd, 2018 by APWPortugal
« Voltar ao Notícias