Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Governo não vai dar seguimento à alteração da Lei das Comunicações Eletrónicas. Vai transpor diretiva para as comunicações prevista para 2020.

O Governo não tem dúvidas. “O acesso a banda larga e muito larga deve andar de par com a oferta dos serviços básicos essenciais e deverá integrar o serviço universal, se necessário financiado com fundos públicos”, afirma Alberto Souto de Miranda, secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, antes do arranque do debate do Estado da Nação das Telecomunicações, durante o congresso da APDC, a decorrer até esta quinta-feira, no CCB, em Lisboa. Além do serviço universal postal, a tutela tem em mãos em 2020 o temas dos serviços universais (SU) das telecomunicações que tem de ser “revisto”, porque “importa reavaliar o seu próprio sentido e evitar que o Fundo de compensação continue a suportar pagamentos inúteis”. O Fundo, recorde-se, é financiado pelos operadores.

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal was last updated Novembro 27th, 2019 by APWPortugal
« Voltar ao Notícias